"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

domingo, 22 de julho de 2012

Não ligo pra marca do que você está usando.

 

Eu sou uma pessoa dura. Em que sentido? No sentido de lisa, sem grana, pobre. É bem verdade que eu trabalho, mas não dá pra se ter tudo e, o pior, nem sempre o do melhor nessa vida, então sou o tipo de pessoa que tenta gastar o mínimo com futilidades, quando gasto com alguma é uma... Como posso dizer? É mais um capricho do que uma futilidade. Por exemplo, fotos. Eu gasto dinheiro com revelação de fotos, mais do que eu deveria em algumas vezes. Eu gasto dinheiro com livros (queria gastar mais) e digo que sinto como se fosse uma futilidade porque depois dessa moda dos e-books (onde você encontra muitos digitalizados e disponíveis gratuitamente) e de tanto tirar xerox (ah sim, você universitário sabe do que estou falando!) fica até meio fútil querer por querer o exemplar, ali, vivo na sua mão (vivo sim!). Também gasto dinheiro com presentinhos para os filhos das minhas amigas e minhas criancinhas (sempre acabo voltando com algum item para alguma delas, desnecessário na maioria das vezes), enfim... Esses pequenos caprichos eu faço.

Eu gasto dinheiro com isso às vezes e quando é pra gastar com alguma coisa que eu realmente preciso faço bico. O maior exemplo: meu óculos. Ainda não comprei um óculos novo! Detalhe: o meu já venceu há seculos! Mas resisto. Resisto porque sou adepta da regra: "ainda dá pra usar então tá bom", mesmo sabendo que nesse caso faz mal. Celular? Desisti de comprar. O meu foi um amigo que me "emprestou" (eu vou acabar ficando, porque tão cedo não vou comprar um). Sapato? Procuro os que gosto, dos que gosto compro o mais barato. Roupa? A mesma regra. Livro? Vou na estante virtual, tem um sebos ótimos lá. E eu sei que muitas vezes estou errada. Já comprei celular da mão de camelô (sei que não devia!), já comprei mp3 "genérico", já comprei fone de ouvido de R$1( último que comprei foi R$5 e durou bastante) já comprei DVD pirata, não vejo problema nenhum em usar a maquiagem e as colônias da avon se elas me agradam, também não faço questão de usar ouro, compro folheados que nunca me fizeram mal mesmo, claro que minha alinça, meu anel de formatura não vão ser folheados, mas as outras coisas por que não? Também já comprei na mão dos coreanos que estão invadindo minha cidade, mesmo sabendo que é tudo contrabando, ilegal, de origens muitíssimo suspeitas. Como cidadã responsável e preocupada e como cristã também sei que não deveria fazer essas coisas, mas, como eu já disse, não dá pra se comprar de tudo do melhor! Acho que a única coisa que ainda fiz questão de pagar um pouco mais foi meu netbook.

Talvez eu seja assim porque não sou apegada à marcas, não ligo pra marca do que você está usando nem nada disso. Eu sei que a qualidade conta muito, mas agora lembro que também sou adepta de outra regrinha: "tem barato que é muito bom". E eu acho mesmo é que muita gente, pelo menos a maioria, só compra produtos de marca justamente por causa dela, pra usar A MARCA, pra dizer que tem A MARCA, pra provar não sei o quê pra não sei quem. Claro que não sou assim pra tudo. Existem alguns produtos que não dá trocar por um mais ou menos, tênis por exemplo, óculos... Mas... relógio? Camisa? Olha, ainda acredito que malharias e costureiras fazem um bom serviço. Por sinal, sou adepta delas. Tem muita gente que compra a marca e não o produto. Aqui em São Luís - MA, nordeste (pra alguns se situarem) o que mais se vê é carro do ano, até ferrari já vi, motos customs caríssimas e olha que segundo o censo 2010 do IBGE o Maranhão tem 2.193.012 pessoas que simplesmente não tem renda. E a educação então? Sabia que mais de 3.000.000 não tem instrução nenhuma ou só até o fundamental e incompleto ainda por cima? Menos de 1.000.000, muito menos, tem superior completo. Mas a realidade não representa isso. Eu não consigo entender como tem gente se esbaldando de comprar coisa de marca. Eu não tenho coragem, nem cara de pedir pros meus pais nem dinheiro quanto mais sandália tal, roupa x. E não quero ofender nem dizer que quem faz isso está errado, mas é que dói no meu coração! Eu sou consumista, sou sim. Tanto que prefiro comprar dez blusinhas fofas de uns R$15 do que uma só de R$80. Enquanto muitos de nós gastamos assim, outros em nosso próprio estado, na nossa cidade, às vezes ao nosso lado mesmo, estão tendo que mendigar um prato de comida. E nossa realidade, a dos que não estão mendigando um prato de comida, não é a das melhores também não. No final do mês todo a classe média tem que rebolar pra pagar o cartão de crédito. O? Perdão. Erro meu: OS cartões de crédito. Por que nós somos assim, hein, hein?

Um pequeno trecho do texto O Dinheiro na Cultura Moderno do sociólogo alemão Georg Simmel:

"O lado qualitativo dos objetos perde a sua importância psicológica por causa da economia monetária. O cálculo necessariamente contínuo do valor em dinheiro faz com que este apareça, finalmente, como o único valor vigente. Vivemos passando, sem perceber, cada vez mais rápido, pelo significado específico, não-qualificável, das coisas, e este se vinga, agora, por meio daqueles sentimentos, tão modernos, que abafam, enfraquecem. Sentimos que o núcleo e o sentido da vida escapam sempre, a cada vez, das nossas mãos; as satisfações definitivas realizam-se cada vez menos; sentimos, enfim, que todo esforço e toda atividade, na verdade, não valem a pena. Não quero afirmar que a nossa época já se encontra inteiramente numa tal situação psíquica. Mas, lá onde existe uma aproximação daquele estado de coisas, temos, com certeza, uma conexão com a subordinação crescente dos valores qualitativos pelos valores quantitativos, pelo interesse a um mero mais ou menos quantitativo. Só os primeiros satisfazem os nossos desejos de maneira definitiva. De fato, as coisas mesmas são também desvalorizadas, num sentido mais geral, pela equivalência com aquele meio da troca válido para qualquer coisa. O dinheiro é "vulgar" porque é o equivalente para tudo e para todos; somente o individual é nobre; o que corresponde a muitas coisas corresponde ao mais baixo entre elas e reduz, por isso, também o mais alto para o nível do mais baixo."

Não cheguei à conclusão definitiva alguma, claro. Mas olha, esse vestidinho me custo menos de R$40. O pano foi comprado e paguei R$20 pra costureira! Ficou do jeito que eu queria! Ah! Se você é daqui de São Luís a mãe super talentosa da Mariana Parga, a dona do Sossego do Mundo, é um artesã de mão cheia, tem umas bolsas fofas e bijus também :)

10 comentários:

Luene disse...

Olha, concordo com você em vários aspectos! Sou bem assim também: a roupa está me aquecendo? o sapato está protegendo meu pé? Então está ótimo!
Não gosto de pessoas que compram roupas, sapatos ou acessórios apenas pela marca. Já vi - sem brincar - uma garota comprar um vestido por R$400,00!! Eu recebo esse valor no meu estágio!! Acho um absurdo e uma grande futilidade.

Já reclamaram do modo como me visto, que é simples demais, (moro em Florianópolis e aqui acham que o visual é essencial) e eu, o que posso dizer? Quer comprar pra mim, querida? Compre! Porque eu não compro um vestido de R$400,00.
Estou feliz com minhas marcas simples, mas que me aquecem e me deixam bonita na minha simplicidade.

Agora devo confessar que as únicas coisas que me dou ao luxo de comprar são presentes para minha família (normalmente não passam de lembranças) e namorado; e livros. Eu primeiramente os leio em pdf, ebook... E então compro sempre que possível.

Enfim, cartão de crédito realmente é a perdição... Nós sofremos! hehe

Abraços :)

Marília disse...

Ótimo texto, as pessoas consomem sem estar realmente precisando, tem um guarda-roupa cheio e ainda assim compram excessivamente, eu compro o que preciso não vou atras de marca. A midia influencia muito, faz parecer que precisamos de uma coisa qdo não é verdade. não sou a favor do consumismo inútil.

Quer fazer parceria de banner? Caso se interesse manda uma mensagem lá no blog tá, ai eu já coloco o banner.

Luene disse...

Oi! Não querendo ser chata, flor, mas dá uma olhada no blog porque indiquei um meme pra você! Se tiver interesse faça, é bem legal =D
http://luenealves.blogspot.com.br/2012/07/meme-completar-as-frases.html

Beijos!
Luene

leitura hot disse...

Oi flor!
Eu sou igual a você..kkk
Gasto com o que não preciso, mas o que preciso adio até não poder mais!!

Não sou muito fã de marca, mas depende muito do produto.

Beijos
Amanda
leiturahot.blogspot.com

agnes disse...

eii, concordo contigo, viu?
também penso assim!
sou lisa, e o pouco que consigo penso muito antes de investir!
tem marcas que realmente valem a pena, pela qualidade do produto... mas pagar 400 conto num vestido, não pago não, viu?! a não ser que seja o de noiva hahaha!

beijos - Rascunhos e Borrões

Mundo Potinho disse...

Ola eu também sou dura, compro as coisas mais baratas, mas livros eu realmente prefiro eles em minhas mãos, não goste de ler no pc muito menos xerox, prefiro eles vivos rsrs

http://oincrivelmundodapotinho.blogspot.com.br/

Mariana Parga disse...

Tu sabes como eu sou extremamente parecida nesse ponto contigo. Eu nunca vi marca, até porque quando a gente cresce numa família que tem uma condição suficiente apenas para sobreviver, pouco vemos a diferença nisso, pouco importa na vida adulta. Acaba fazendo parte do que somos. Um dia, eu vou comprar roupas com marca boa, porém, pela condição que terei, não olhando apenas para ela e como intenções de exibí-las, rs. E essa de uma parte da população do Maranhão se esbaldar com as compras, é a péssima arte de ser pobre e querer parecer da classe A. (lembrando que não são todos...) Ah! Obrigada por citar minha mãe e eu, haha. Bem, uso os artesanatos dela com o maior orgulho, porque posso ter coisas de qualidade por um preço acessível, no meu caso, de graça! xD

Marília disse...

Oiee!! já coloquei seu banner lá na aba parceiros =D

Martha Franciny disse...

Ultimamente tenho percebido esta jogada de markenting criada pelas empresas. E o pior é que a sociedade acabou criando um padrão em torno disso, a ideia fixa de que o produto só é bom se for caro.

Gabriela Domingues disse...

Nossa ,então somos duas amiga.
Vim retribuir a visita,obrigada por me seguir.
Beijão gata.

http://pancakesandrock.blogspot.com.br