"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

domingo, 29 de dezembro de 2013

O maior dos temporais aduba o jardim.


O ano de 2013 foi um ano simplesmente louco para mim. Correu, voou, e nem foi com vento, foi ventania, vendaval, chuva! Odeio chuva. Gosto a noite, quando estou debaixo de uma coberta e dormindo, não durante meu dia. Logo, 2013 ter sido um ano de chuva pra mim significa dizer que ele não foi tão bom assim. Mas não sou ingrata, pois, já dizia Sérgio Sampaio: “o maior dos temporais aduba o jardim.”. Foi um ano de muitas reviravoltas: espiritualmente, financeiramente, psicologicamente e até fisicamente (sim, cheguei aos 50 kg!).

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Seja a escolha certa.

"Mas acontece que o amor não tem razão, sua raiz é uma nação sem ser lugar." (Zero Muito - Mart'nália)
Será que você está certa, Mart'nália? Será que o amor não tem razão? Será que não tem raiz mesmo?

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Quando um piti é necessário!


Às vezes um "piti" parece ser necessário, eu me dei conta disso estes dias. Se você é uma pessoa no mínimo sensata, pensará: "mas isso é criancice, falta de maturidade." Se você é uma pessoa orgulhosa demais, pensará: "não, quero ver o que fulano fará!". Mas aí é que a coisa tem sua problemática: sensatez nem todo mundo tem e por causa de orgulho muitas pessoas não admitem estarem erradas nunca. Isso implica em quê? Pessoas insensatas e/ou orgulhosas erram, vão ferindo os outros, não se desculpando, não se responsabilizando, não sentem dor na consciência e se sentem justificam de alguma forma suas atitudes para não senti-la mais e você, você que sofreu, se chateou, se ofendeu e etc., fica onde? Na merda.

sábado, 16 de novembro de 2013

Once - Apenas uma Vez (2006)


Madrugada, insônia. A procura por um filme. Fui na minha lista de filmes "Quero Ver", no Filmow. Eu queria ver Once - Apenas uma Vez. Os comentários eram maravilhosos e não tinha como ser diferente. Não me arrependi nem um pouco de ter assistido. Film curtinho, 86min.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Ah, Cartola... Tu entendes!

Cartola é aquele cantor maravilhoso, compositor mais ainda, que, com um sambinha de raiz tranquilo, uma voz doce, uma voz que consola e entende, ele te abraça, te pega no colo, passa as mãos no teu cabelo, como quem diz assim: "Calma, minha filha, calma...".

Obrigada, porque tuas melodias, tua poesia, sempre me faz acordar pra vida que me espera. Obrigada :)

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

3 dicas


O que vou dizer aqui pode não compreender 100% da mulherada, mas acho bom você prestar atenção, porque geralmente é o que fazemos:

Ainda me sinto culpada


Sabe, Jesus... Eu sei que você sabe, eu sei que você sabe que eu sei. Eu sei, meu Deus, que eu errei. Já pedi desculpas tantas vezes, já me arrependi... Já perdoei, pelo menos tentei, mas eu sei que você sabe que eu também sei que ainda não consegui perdoar. Jesus, eu fico me perguntando se eu de fato te conheço, se eu de fato sou cristã, se eu de fato sou alguém por quem você daria a vida... Eu não me sinto um bom exemplo e aposto que tem mais de uma dúzia de pessoas por aí pra confirmar isso. Eu me pergunto porque, por que eu não consigo superar? Por que eu não consigo me tratar disso? Por que eu não esqueço? Por que eu não consigo perdoar?

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Trilha Sonora de um amor que não pode ser amor.

E por que não pode? É o que ela pensava ao acordar e ao dormir.

domingo, 3 de novembro de 2013

Eu não.


Eu nem queria escrever sobre isso, mas parece que uma força maior toma conta de mim e me faz vir aqui e tentar colocar algumas pra fora.

Bem, com você, durante estes dias, eu descobri que estou mal mesmo. Mal do tipo quase "morta", meio que por dentro, dá pra entender? Eu não sei o que sentir, como sentir, se devo sentir, e não me permito. Percebi que não me permito sentir que alguém pode sentir também, não me permito imaginar alguma coisa mais além, não me permito tentar entender essas coisas nem sequer ver um lado positivo. Isso é ruim.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

estupidez temporária


E eu já me peguei pensando várias vezes: pra quê ficar nesse jogo se não se sabe nem se vou conseguir um xeque-mate? Se a minha rainha eu já perdi de vez, se peão eu não tenho mais...? E o que fazer quando seu rei tem pouquíssimos movimentos? E o que fazer quando você só sabe os movimentos das peças, mas não sabe nenhuma estratégia?

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A Mensagem da Missão, Howard Peskette e Vinoth Ramachandra.



 
Quotes deste maravilhoso livro!

sábado, 26 de outubro de 2013

Sobre relacionamentos abertos.


Fiz uma brincadeira com um amigo meu, inicialmente sem propósito nenhum mesmo, mas acabou que a brincadeira me fez pensar... Eu propus a ele que colocássemos em nossos perfis do Facebook que estávamos "juntos" em um "relacionamento aberto". Esta brincadeira poderia me custar algumas coisas, porque, como estou cercada de cristãos, alguns conservadores demais e outros nem tanto, e sustento um cargo de liderança, isso poderia (com certeza!) assustar alguns e até me render alguns pontos a menos no quesito "imagem-que-devo-refletir-e-sustentar-mesmo-que-ela-não-seja-necessariamente-verdadeira-mas-devesse-ser." Óbvio que um "relacionamento aberto" não é bem estar junto... Mas, enfim, isso não vem ao caso agora, até porque o que é um "relacionamento aberto"? É possível definir alguma coisa como relacionamento aberto?

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Não se importe.

Eu tenho uma raiva latente contra quem gosta de mim de alguma forma. Parece simplesmente que não gosto que me amem, que não gosto de ser amada... Eu não gosto que me cutuquem, não gosto que mexam no que com tanto zelo eu cuido e cultivo: a minha dor. A dor é minha. Se você mexe nela, eu fico com raiva. Principalmente porque você, de fato, nunca vai entender um grama dos porquês de eu ser assim, e isso não acontece por que eu sou única e o problema mais difícil é o meu, mas porque eles não fazem mais tanto sentido assim pra mim... É que estou tentando deixar a coisa meio por si só, sabe? Eu não quero mais mexer em nada disso. Deixa rolar, deixa acontecer... Também pouco está me importando se você acha que não tenho valor, se você acha que não devia ser assim, se você acha que eu mereço algo melhor... Eu não quero mais nada melhor, eu não quero cuidado assim, eu não quero que tente me consertar, não me analise, não me queira bem achando que vai fazer eu me sentir bem, não tente me fazer importante porque isso não tem importância. Não tome isso pra si. Deixe essas coisas comigo. Não se importe. Que não se importar dói muito menos. Dá menos trabalho.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

São minhas.



Não mexa nas minhas cicatrizes, não toque nas minhas feridas, delas cuido eu, delas eu que fui atrás, delas eu que faço questão e escolho como tratar. Deste arranhão eu que não tomo conta, deixo cicatrizar da maneira como ele bem entender; nesta ferida eu escolho o dia pra passar a pomada, eu escolho se quero que ela se apague, eu esqueço dela pra lembrar um dia e perceber que não está mais lá.

Eis a dinâmica

Tenho notado a dinâmica disso tudo:
Primeiro vem a solidão, depois a alegria por causa de uma aparição, logo em seguida a certeza de que não vai ter resultado, depois os questionamentos a respeito dos porquês de não haver resultados, depois a leveza...

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Agora ou jamais - Thaís Morell


Ele disse que vinha e não veio
Ela disse que o mundo era feio demais
Pra quem tem anseio de paz
Pra quem se preocupa demais
Com o amor de um rapaz

Que me conhece de outros canais
Mil voltas ao mundo eu rodeio
Verdades quebraram ao meio
Mas ele pode demais
Me escolhe e sua vida eu recheio
Me deixa sonhar e eu floreio
É bonito demais

Sou mulher-menina ou coisa alguma, um espírito praieiro
Todos estamos de frente pra trás
Sabemos que podemos, encaramos com receio
Considerando as vidas emocionais
De quem não tem maldade, de quem ama o mundo inteiro
E que sabe que a vida é agora eu jamais

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Com data de validade.

Frase que a Clara Averbuck me deu de presente ontem e estou repassando o presente agora para vocês  ❦

Você já comprou sua XXX? Não? Essa é a hora! Dá uma sacada aqui no projeto =» http://catarse.me/pt/zinexxxE meu muito obrigada, queridos!!!
do tumbl da Sirlanney. http://sirlanney.tumblr.com
Eu pensei que ia conseguir fazer as coisas da maneira correta e da maneira diferente desta vez. Não, não consegui. Só descobri que está mais errado ainda, que é uma sinuca de bico, que não faz sentido nenhum, nem que seja brincadeira... Que depende de mim dizer tchau definitivamente.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Como criar um filho gentil com tanta violência masculina contra mulheres?

"A ideia de ter um filho me assustou". Se a violência masculina é a maior ameaça às mulheres, como criar um filho gentil?
Por Christopher Zumski Finke, original em Yes! Magazine. Tradução de Isadora Otoni.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Não quero ser princesa.




"Nada de Cinderela ou Bela Adormecida. Foi usando fantasias da estilista Coco Chanel e da antropóloga Jane Goodall que a pequena Emma posou em um ensaio fotográfico para comemorar seu aniversário de cinco anos. A ideia foi da própria mãe, a fotógrafa americana Jaime Moore, e veio, mais ou menos, como um protesto pela quantidade de artigos que ensinam meninas a se vestir como as princesas da Disney.

Aconteceu assim: Jaime procurava inspiração para produzir as fotos da filha aniversariante e se viu cercada de tutoriais ensinando a fazer o cabelo da Ariel ou a criar um vestido igual ao da Branca de Neve. "Não me interprete mal, eu adoro as Princesas da Disney, por seus belos vestidos, cabelos perfeitos, vozes maravilhosas e histórias de amor em que você não pode deixar de se encantar pelos personagens. Mas isso me fez pensar: elas são apenas personagens, uma fantasia irreal para a maior parte das meninas".

Foi daí que surgiu o tema do ensaio: mulheres que não só existiram de verdade, mas que podem inspirar a pequena Emma a perseguir seus sonhos e conquistar seu espaço no mundo. "Minha filha não nasceu na realeza, mas nasceu em um país onde ela pode votar, tornar-se uma médica, uma piloto, uma astronauta, ou até mesmo presidente. Eu queria que ela conhecesse o valor dessas mulheres incríveis que foram contra tudo e todos para que, hoje, ela pudesse ter o que tem". Como Emma havia completado cinco anos, Jaime escolheu cinco mulheres que se tornaram símbolo da luta feminista no mundo: a estilista Coco Chanel, a antropóloga Jane Goodall, a aviadora Amelia Mary Earhart, a política Helen Keller e a feminista Susan Anthony. Por fim, Jaime tirou uma foto da própria Emma Moore - que tem bastante tempo ainda pela frente para decidir que diferença vai querer fazer no mundo." [Fonte: Época Negócios]


Susan Anthony: feminista, líder do movimento americano pelos direitos civis no século 19. "Peça aprovação apenas para a sua própria consciência - eu prefiro fazer a história do que escrevê-la".

Susan Anthony: feminista, líder do movimento americano pelos direitos civis no século 19. "Peça aprovação apenas para a sua própria consciência - eu prefiro fazer a história do que escrevê-la" (Foto: Jaime Moore Photography)


domingo, 6 de outubro de 2013

As melhores expectativas.

Eu tenho muita vontade de ser mãe, não é uma coisa de hoje, é um desejo que tenho há tempos, desde que me entendo por gente. Eu sonho com rostinhos, com lugares para onde vou levar meus filhos, com as fotografias que vou tirar, com as músicas que vou colocar para ele ouvir na esperança de que ele tenha um gosto musical bonito e engraçado, porque rir é a melhor coisa do mundo. Eu sonho com os meus amigos sendo chamados de titios e titias, sonho com a minha avó sendo bisavó. As pessoas costumam dizer que penso muito nisso, e aí vem todo aquele papo de que é muita responsabilidade (sim, claro!) e que o mundo é ruim demais, que é muito difícil e etc. e tal. Nada que me dizem me faz mudar de ideia. Quero ser mãe. Eu já pensei em ter um filho "só meu", sei lá, engravidar e não dizer de quem é, mas eu tenho a plena certeza de que não apenas quero ser mãe, quero ter uma família. Eu sempre crio expectativas demais. Isso é ruim. Mas sempre que acho um cara legal, logo imagino o marmanjo como pai, e se vejo uma foto, uma atitude, qualquer coisa dele com alguma criança, eu fico alegre,eu o acho mais legal e mais homem ainda. Eu quero ter um marido que seja um bom pai, porque um bom homem pra mim é também visto pelo bom pai que é. Fico feliz quando vejo pais ativos, pais criativos, pais que se alegram e falam de seus filhos, que observam pequenos detalhes do crescimento dos mesmos... Pode ser que daqui a algum tempo eu não me importe mais com isso, o que eu acho difícil, mas agora a vida não tem muito sentido se eu não tiver, mesmo que como planejamento, isso: uma família. Mesmo que a minha família ainda seja só um sonho. Mesmo que eu ainda não tenha nem namorado, mesmo que eu ainda não tenha nem estrutura pra ter uma, mesmo que ainda não tenho nem perspectiva de quando ela virá, se vier, eu vou continuar sonhando, vou continuar orando, vou continuar querendo e criando expectativas. As melhores.

Deixo aqui a dica de um blog pelo qual sou apaixonada:  Do Seu Pai

.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Ainda é seu aniversário.

Hoje é teu aniversário. Bem, eu não vi o aviso no facebook, pois te bloqueei, e nem prestei atenção a um risco que tem na minha agenda neste dia, agora há pouco me dei conta que era ali o aviso de que hoje é o teu dia. Eu sempre esperei comemorar isto pra sempre. Uma vez eu te disse que eu simplesmente não gosto do meu aniversário, não gosto da demasiada atenção... Bem, tu querias preparar algo pra mim e acabou preparando, só não foi muito bem pra mim, mas tudo bem... Enfim, deste dia o que ficou mais nítido pra mim até hoje foi uma frase tua  tu disseste que queria que alguém fizesse isso por ti. Bem, não estamos mais juntos, não tenho vontade de voltar e só repito isso pra deixar claro, não pra jogar na cara, mas eu queria ainda te desejar parabéns, porque por mais que eu não te ame como um dia te amei, eu sei que tu és amado. Não te odeio, só não consigo te tratar bem, mil perdões. É por isso que nem me aproximo, pois minha educação tem limites, e eu ainda não descobri quais são. Eu não sei se hoje prepararão algo pra ti, mas se sim ou se não, não importa... O que importa é que é mais um ano de vida e que isso me faz lembrar de te pedir que pense bem antes de tomar qualquer decisão, que cuide dos teus amigos e escolha as melhores companhias, que cuides da tua saúde e do teu bem estar mental, que não te prendas e ideologias e conceitos de homens, falhos e mentirosos. Eu te desejo o que quero também: paz. Que tu tenhas paz. Eu nunca gostei de ficar amiga de ex namorado, por isso não quero conversa contigo, também tenho dificuldades de relembrar bons momentos, embora eu saiba que eles existiram, mas lembro com nitidez características tuas que eu gostava: tua firmeza, tua perseverança (que beirava à teimosia), tua coragem e tua lealdade. Que isto só seja melhorado e usado para o bem. Tudo de bom pra ti. Que Deus te abençoe. Parabéns.

domingo, 29 de setembro de 2013

Quem é a mulherzinha aqui?

Obra de Pino Daeni.

Tenho visto uma enxurrada de mulheres mais "duras", às vezes incluo-me neste time. E hoje eu percebi de verdade isso porque recebi uma sms de um do meus melhores amigos: ""Boa noite, tudo blz contigo? Porque tu deu bom dia ontem depois não deu mais noticias, larga de agir como homem, rum, rs". Esse "rs" no final foi só pra amaciar o que de fato ele queria dizer, inclusive em seguida ele mandou outras, dessa vez mais direto ainda: "mulher é mais meiga e carinhosa, e tu tá mto grossa e bruta, hsuashua". Não me senti ofendida nem fiquei zangada, isso foi só pra ilustrar como a coisa está e que não é neurose minha apenas. Engraçado como hoje pela manhã eu estava pensando nisso, conversando com uma amiga falei em tom de brincadeira: "O mundo é muito duro com a gente, as mulheres estão ficando duras." Mas é isso: as mulheres estão ficando duras, brutas, grossas... Tá, temos que pensar também na questão do esteriótipo feminino. Há um esteriótipo sim. Toda sociedade tem seu esteriótipo do que é "feminino". A nossa inclui delicadeza, dependência, risos contidos, postura adequada, unhas feitas, cabelo arrumado e outras cositas mas... Eu definitivamente não sou o tipo de pessoa que prega igualdade de gênero (não estou falando da igualdade de direitos, mas de igualdade do tipo homem = mulher, não, não é igual), e nem levanto minha voz como feminista, mas tenho consciência de que tudo o que hoje não abro mais mão é fruto de tudo o que muitas mulheres conquistaram. Acho até que sou bem machista, inclusive. Não aprovo a dependência de homem nem financeira nem emocional, nem homem dependente de mulher, isto muuuuuuuuuito menos... Mas agora fiquei pensando mesmo sobre a minha postura. Eu ouço algumas pessoas me dizendo algumas coisas que comprovam minha mudança de atitude e pensamento. Aliás, de pensamento eu sei que mudei muita coisa mesmo. Por que vejo tantas mulheres assim hoje em dia? Mulheres Muralhas, Mulheres Duras, Mulheres Brutas, Mulheres Rochas, Mulheres Diretas... Ah, são tantas coisinhas que nos impõem... Sinceramente. Eu fico me perguntando se é tudo fruto de desilusões. Respondi ao meu amigo que "meiga e carinhosa" pra mim é cudocice e às vezes frescura, que entra no rol da cudocice. Eu sou carinhosa com quem eu quero ser carinhosa, eu sou meiga quando... não, eu não sou muito meiga não. Talvez o fenótipo, apenas... Mas eu também choro, eu também me preocupo com roupa, eu sou insegura e hoje eu me incomodo um pouco por estar dura, ou será que sempre fui dura?, ou será que me tornei dura? Outro dia uma pessoa me perguntou por que eu não colocava um piercing no nariz, outro amigo olhou pra ela e respondeu: "isso não tem nada a ver com Steffi, é muito fofo". Eu ri. Não tenho mesmo vontade de colocar piercing, acho muito fresquinho mesmo. Ele me conhece. Outro dia um outro amigo também disse que meu lado masculino estava muito aflorado. Mas o que é isso, gente? Será que eu estou tão macho assim?  Eu sou super a favor de carinho, respeito, abraço, preocupação, super, super, super... Apesar de eu ter todo um discurso contra essas imposições que existem a respeito do modo de ser feminino aceitável pela nossa sociedade machista, opressora e blá blá blá, eu queria ser um pouco mais sensível... se é isso que falta. Ah... Só estou cansada de ficar pensando nisso. Afinal de contas o que é ser feminina? É ser "doce"? É colocar o outro na posição de Homem (com H maiúsculo)? O que é ser meiga? É falar com diminutivozinhos? É não dizer "não" ou não dizer "sim"? O que é feminismo? O que é feminilidade? Então não pode falar palavrão, "cara" ou alguma outra gíria? Então não pode comentar sobre o jogo ou chamar a outra moça de fresca? Meu bem, eu também não sei cozinhar. Eu até acho engraçado quando eu vejo um blog ou site sobre feminismo e o layout é todo rosa e as fontes cursivas. Eu me sinto lesada pelos dois conceitos. Eu sei muito bem que ser feminista não significa odiar homens, mas também prega uma liberdade que me dá azia, assim como a feminilidade me enche o saco, pois me dita, de certa forma, a ser assim ou assado... Eu sou mulher, e quero ser tratada como tal, sem ser me sentir pressionada a ter que ser de um jeito pra ser tratada de outro. Eu gostaria de ser tratada da forma como acham que devam tratar uma mulher com respeito e dignidade, mas da minha forma de ser mulher. Eu sou uma mulher, menina, assim, sem muita frescura, que detesta ver namorada mandando em namorado, que acha lindo gente livre e solta, que gosta de conversar com todo mundo... Eu sou do meu jeito. Só isso. Não menos mulher nem mais homem. Não menos "homem" nem muito "mulher".Aliás, o que é ser HOMEM com H maiúsculo, como citei mais acima? O que é não ser HOMEM? Ser homem é um estado, uma forma ou uma imposição? É uma condição "dada"? Ser "mulher" é dado também? Eu sou heteressexual, isso me define como "mulher"? Por que isso me oprime? Nunca se sentiu assim? Nunca se perguntou? Poxa, eu invejo você... Queria só viver sem me perguntar mesmo.


Eu sou daqui, eu não sou de Marte
Vem, cara, me repara
Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim
(Infinito Particular - Marisa Monte)

domingo, 22 de setembro de 2013

Aprendi a sorrir

E a vida é irônica, não é fácil... Não acredito que Deus escreva torto, acho que nós é que somos tortos e nem sequer conseguimos seguir a linha direito. Eu mesma sou uma dessas que não consegue muitas vezes enxergar o que afinal de contas Deus quer de mim e aí vou fazendo, fazendo, fazendo as coisas sem pensar muito, mas me preparando pro pior. Não me recordo de momentos de plena paz em minha vida, por vezes tenho paz comigo mesma, mas é diferente de plenitude, de tudo estar bem, primeiro que acho que isso nem é possível, mas eu bem que queria e invejo quem aparentemente tem isso ou vive assim.

Meus problemas não são maiores do que o de ninguém, embora muitas vezes eu fique extremamente chateada quando vejo alguém reclamando sem nem saber o que passo... Enfim, não quero me vangloriar, não devo, mas eu por vezes fico orgulhosa de mim mesma por ainda conseguir sorrir mesmo com tanta pancada.

Eu acho que a cada dia que passa eu estou ficando mais dura pra lidar com as coisas que ocorrem comigo, ainda fico muito sensível quando se trata do outro, mas a minha sensibilidade... pra mim mesma, parece que estou perdendo... Eu fico feliz por que me sinto mais forte, mas também me preocupo porque só consigo "desabar" o que sei que me preocupa com algumas pouquíssimas pessoas... Eu realmente não acho que as pessoas devam ficar se preocupando à toa comigo.

Eu rio mesmo, de toda situação, em qualquer momento. Aprendi a sorrir.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

As tuas músicas

E quando um dia eu acordei e percebi que o meu coração estava ansioso demais e machucado demais, você apareceu com suas músicas. Cada uma delas tinha um punhado de palavras que eu sempre quis ouvir, cada uma delas tinha um punhado de verdades que eu queria que existissem, cada uma delas tinha um tanto de cuidado e encanto, de entrelinhas, que eu aprendi a ler também.

Então você me apareceu como um soldado que segura a mão do companheiro ferido, que promete dizer à amada a declaração de amor que ficou durante tantos anos presa na garganta. Você me salvou. Você não, suas músicas.

Porque cada melodia, cada voz, cada intérprete... era ali você me dizendo tudo aquilo, mesmo que não fosse. Eu me apaixonei pelas músicas. E agora, maldição, sempre que ouço uma, lembro de você e da inexatidão, da falta de realidade, da falta de verdade e das primeiras palpitações, das primeiras conversas, de uma volta que eu não poderia ajudar, que eu sempre soube que eu não poderia fazer.

Eu me apaixonei por cada letra e som, me apaixonei por cada significado. Eu ouço tudo de novo e rezo, rezo, rezo, oro, oro, oro, para que superem, para que façam melhor, porque se não será único e intocado, e se é pra ser único e intocado e nem ser meu, eu não quero, eu deixo passar, eu admito, eu me apaixonei pelas tuas músicas, pelas músicas.

The shorter story
No love, no glory
Eu escrevo e te conto o que eu vi
E me mostro de lá pra você
Semelhante de você
Diferente de você.

I feel alone,
Feel alone now
Amores vão e vem
Sem regras, razões ou demora.

Tanto faz ser vítima ou culpada
Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

quebra minha cabeça

E as peças deste quebra-cabeça,
Eu quebrei,
Fiz questão de perder, inverti,
Me diverti desfazendo.


Não quero perder tempo com o que é complicado demais,

Prefiro nem esperar pela figura final.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Algumas coisas que você precisa saber sobre mim.

Eu gosto muito de motos, mais do que de carros, mas ultimamente penso em ter um só porque gosto de sair bem acompanhada. Eu não gosto de super heróis, as pessoas costumam perguntar qual é o meu super herói preferido e o máximo perto disso que consigo pensar é em Blade, o Caçador de Vampiros, que nem é herói nem vilão e O Corvo, que também não é nenhum dos dois.
Eu gosto muito de crianças e tenho absurdamente desejo de ser mãe. Eu não gostava de beber, na verdade, quase abominava. Eu abominava também o ato de fumar. Hoje eu bebo e não me importo tanto se alguém fuma ou não. Eu não tenho tatuagens, mas em breve terei, mais de uma.
Atualmente tenho dois chips de uma mesma operadora, eu sempre critiquei quem tinha isso também.
Não gosto de usar roupas cor de rosa, porque tenho carinha de criança e isso piora tudo. Gosto de escrever e escrevo melhor quando estou mal. Tenho uma playlist sobre fossa, se quiser ouvir aqui está.
Sou cristã e protestante, mas não sou muito ativa na igreja que frequento, entretanto, amo todos ali.
Eu sei que inspiro confiança e responsabilidade, tento sempre manter isso, mas falho, como todo mundo.
Eu gosto muito de lidar com pessoas marginalizadas, meio "erradas" e fora do padrão certinho esteticamente, não sei o porquê, até suponho, mas sempre foi assim desde criança, então não tem pra onde eu fugir.
O Fabuloso Destino de Amélie Poulain não é um dos meus filmes favoritos, mas reconheço a criatividade do diretor em dar tanto espaço a detalhes. A vida é cheia de detalhes.
Sou muito insegura, não me acho bonita nem muito inteligente. Sou esforçada.
Meu animal favorito é elefante, tenho xícaras, brincos, colares, lençóis, bibelôs, desenhos... A minha flor favorita é o Girassol, pela cor e por tudo que significa e representa.
Eu converso muito sobre coisas que não deveria conversar com todo mundo nem com qualquer pessoa, estou tentando me conter. Tenho muito medo de barata, aranha e galinha. Quero ter um cachorro grande. Não gosto muito de pássaros nem peixes em casa. Por falar em peixes, sou pisciana com ascendente em escorpião, igual João de Santo Cristo. Eu não tenho motivo pra ler horóscopos, mas acho super divertido. Tenho mania de baixar discografias e tenho mania de colocar "ok" em todo álbum que termino de escutar.
A maioria dos meus amigos são homens, me dou bem melhor com eles, às vezes isso me incomoda, mas já estou me acostumando. Eu costumo rir bem alto e falar muito.
Tenho dificuldades em ser abraçada, eu geralmente me sinto incomodada quando me abraçam porque sou pequena e as pessoas não conseguem medir a força delas e nem se colocar em meu lugar e sacar o quanto está desconfortável pra mim...
Eu me mexo muito durante e se durmo com alguém pode acreditar que vou dormir colada. Não costumo pentear o cabelo todo dia. Eu não consigo deixar minhas unhas crescerem. Gosto de coisas meio hippies pra me vestir. Não quero ficar rica, escolhi um curso que sei que não vai me enriquecer, dentro do curso curto uma abordagem que não vai me enriquecer também, mas vivo reclamando que estou sem dinheiro.
U2 é a minha banda favorita. Acho que Memórias do Subsolo é um dos meus livros favoritos... Junto com Quase Memória, do Cony, Admirável Mundo Novo (Huxley) e Não Verás País Nenhum (Loyola).
Quando eu tinha 13 anos costumava comprar roupas masculinas e não trocava meu all star por nenhum salto alto. Hoje não uso muito all star, mas ainda não troco o baixo pelo alto.
Pele branca me atrai, e não sei se isso é preconceito.
Tatuagens me atraem, dreads, brincos, cabelo comprido e cavanhaque. E às vezes nada disso também me atrai. Quero que meu filho tenha olhos verdes como os da minha mãe. Meu pai é negro e minha mãe loira. Meu irmão branquelo.
Meu nariz é muito pequeno, não cabe um nariz de palhaço de plástico. Gosto muito de lápis de olho e batom clarinho. Tenho dificuldades pra dormir.
Bebo pouca água, hábito que estou tentando mudar.
Fiz dança contemporânea e ballet e parei. Fiz teatro e parei. Vou voltar pra tudo, prometo.
Eu ainda revelo fotos. Eu ainda loco filmes. Eu ainda tenho amigos que não têm facebook.
Eu não acredito em almas gêmeas. Eu não acredito em amor à primeira vista, acredito em atração, que pode até virar amor depois. Eu não acho legal ficar amigo(a) de ex.
Gosto de armas, gosto de facas, principalmente se forem decoradas.
Adoro ritmos latinos. Quero visitar a América Latina e o Nordeste. Amo espanhol e acho o francês um charme... Não sou ciumenta.
Gosto quando respondem minhas sms imediatamente. Meu seriado favorito é Sons of Anarchy.
Gosto de praia, gosto de piscina, de rio... Gosto de me molhar, mas não gosto de chuva. Gosto de trabalhar ouvindo música, estudar não. Costumo ler vários livros ao mesmo tempo, isso tem sido problemático ultimamente.
Sempre brigo no cinema, porque nunca cedi à carteira de estudante vendida daqui de São Luís. Já tomei remédio controlado quando criança, mas não me acho doida, mamãe sim.
Sou impulsiva, às vezes jogava coisas em pessoas e pessoas em coisas.
Eu gosto de futebol, sou corinthiana, não gosto do Neymar nem do Flamengo, tenho raiva do Flamengo. Chamo os pais dos meus amigos de tio,tia.
Briguei com as minhas duas ex-sogras defendendo meu ex-namorado.
Já pensei em engravidar e não dizer quem é o pai.
Já pensei em ir à rodoviária e pegar o primeiro ônibus pro primeiro interior que tiver.
Queria saber fotografar.
Já li a bíblia toda, mas preciso ler mais e de novo.
Eu acho que não sou calvinista mesmo, mas acho que liberal também não. Acho a homossexualidade um pecado, mas não mando ninguém pro inferno.
Raspei as laterais da cabeça, quero raspar de novo, talvez mais, e só não raspo a cabeça toda porque meu cabelo é bonito, agora estou achando ele bonito, e porque o formato dela é feio.
Gosto de shorts curtos, porque sou baixinha. Não gosto de usar sutien, e geralmente não uso mesmo. Não sou obcecada por perfumes, gostei de um da Avon uma vez e gostei, não sou fresca com essas coisas.
Não gosto de dormir depois do almoço. Dificilmente lembro dos meus sonhos. Eu ponho uma música no repeat só pra chorar.
Se alguém me pergunta se está tudo bem, mesmo que seja só por educação, não consigo responder sim se a resposta é não. Sinto-me mal quando falto aula.
Anoto tudo, tenho agendas desde 2008. Esterzinha, Julia e Maria Clara são meus xodós.
Quero casar com uma cerimônia para os mais íntimos e com a luz do dia, ou da tarde, não da noite.
Queria ser vegetariana, mas nem como feijão e já sou anêmica, isso é um problema. Sou asmática também, uso bombinha, ou deveria, porque acabo usando só quando quero.
Gosto de praticamente todo tipo de música, só não simpatizo muito com sertanejo... Eu não entendo de rock, eu entendo do que eu gosto. Quero fazer musculação.
O Leandro Saldanha diz que tenho ansiedade. Sou abeuense ♥. Estudo psicologia e acho que vou enveredar pela Psicologia Social.
Minha fruta preferida é maça. Amo pitomba, manga com farinha e banana com leite em pó. Leite só na banana e no mamãe, nunca no café. Tomo muito café preto.
Gosto de ensinar crianças e acredito profundamente no poder da educação pra mudar a vida de alguém, mudaram a minha oras!
Eu não gosto de shoppings, é muita burguesia... Só vou pra cinema e reunião. Meu negócio é praia, é rua! Eu amo reggae. Sou super aberta pra músicas "seculares", podem falar até do diabo que às vezes eu nem me importo, mas música cristã... Cara, eu sou muito cri cri com quem se dispõe a louvar a Deus com sua música. Muito mesmo.
Amo beiju e cuzcuz de arroz.
Tenho uma voz meio rouca que no telefone fica horrível. Eu não gosto de cobrar as pessoas.
Tenho bochechas enormes.
Eu não me escandalizo com palavrões e às vezes solto uns.
Tenho facilidade pra fazer amizades.
Tenho os melhores amigos do mundo.
Sou toda podre, mas Deus tá comigo que eu sinto. ;)



quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Vou fazer assim:

Vou te chamar pra conversar como quem não quer nada.
Vou deixar bem na cara que eu quero alguma coisa.
Vou deixar você em confusão a respeito do que esta coisa é.
Vou contar meu dia e perguntar sobre o seu.
Vou te ligar quando você menos esperar.
Vou sumir de vez em quando que é pra fazer o charme.
Vou fazer você se sentir a fofura em pessoa.
Untitled
Vou fazer você perceber tudo o que temos em comum.
Untitled
Vou fazer você se sentir importante, às vezes, só que depois
Vou fazer você se sentir mais uma pessoa como todas as outras.
Vou deixar artigos, notícias e outras coisas pra você ler assim que ficar online.
Vou te contar de relacionamentos passados.
Vou sempre me despedir primeiro.
Vou fazer você contar aos seus mais próximos.
Vou fazer você imaginar como seria bom se todo mundo soubesse.
Gabito Nunes | Sighs & follies
Vou fazer você gostar de ouvir as pessoas dizerem que pode dar certo.
Vou fazer você se perguntar se isso tudo não seria só educação e amizade mesmo.
Vou ter um jeito só meu de te chamar carinhosamente.
Vou fazer das nossas conversas as conversas mais interessantes.
Vou fazer coisas que não devia.
Vou te pedir perdão.
Untitled
Vou fazer você não iniciar uma conversa comigo.
Vou te deixar mais forte.
E vou viver com você o que não é uma história de amor.

Não estou para aluga-se

Acho que só agora estou entendendo como é estar assim. Acho que só agora estou me acostumando a uma situação, na verdade, não uma situação, mas a este modo de viver a vida, que não é só uma escolha às vezes, às vezes é também não escolha, por não ter opções ou por não querer mesmo escolher.

Não quero escolher, não quero procurar, não quero ser uma segunda opção nem ser resultado de uma decisão ou de um processo. Eu quero que me achem. E nesse meio tempo, sem pressa, sem pressão, vou me achando também.

É muita conversa pra todo lado, é muita insinuação, é assédio, é papinho, é muito papo sobre o mesmo assunto, são os mesmos dilemas, são os mesmos problemas, é o tempo que não para, é a mãe que pede, são as primas que arranjam, são os amigos que casam, casarão e descasam também, são os que iniciam cheios de frescurinhas e os que terminam cheios dos vais e voltas, são muitas as minhas mágoas e descrenças também... É o motivo de todos os males! É o motivo de muita alegria também...

Tive alegrias e momentos felizes antes, claro, mas hoje... Hoje posso ser o que eu quero ser, o que acho que eu sou... Poder ir a qualquer lugar, sem pressa, sem preocupação, sem satisfações. Isso me fascina. Juntos são necessários acordos, claro, não se vive querendo ser um sendo dois, mas não... Não sei se estou preparada pra isso agora. E sabe do que mais? Eu quero continuar assim, não estou fechada, não estou completamente desiludida, só que também não estou com uma placa de "aluga-se" pendurada no pescoço e nem estou à procura de coisa alguma. Cansei de gente puxando conversa de segundas a quartas intenções, cansei de gente querendo se apoiar, querendo ser ouvido... Não que eu não goste, mas literalmente fazer uso e depois descartar, tá roça, né? 

Deixa a vida passar, deixa as coisas rolarem. Por que ando tão ansiosa? E mais: sem motivo algum.