"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

2015: o pior anos de nossas vidas

Douglas Girard –  La alegría de vivir.


Mentira. Não foi o pior ano da minha vida. Acho que nem da sua. Venhamos e convenhamos que as coisas sempre podem ficar pior, e há ainda o clichê bonito de se dizer que toda coisa ruim tem seu lado bom. A minha retrospectiva sobre 2015 não reflete os acontecimentos mundiais (que inclui os nacionais - crise, desastres ambientais, escândalos, desemprego...), mas ainda assim acredito que os ensinamentos que me deu são válidos, pelo menos para mim.

Em 2015 eu passei por muitas mudanças, inclua aí o meu ganho de peso. Inclua também o perfeito amor destruído por mim. Inclua também a fuga/solução para a minha falta de privacidade e minha vontade gigante de voar mais alto e sem explicações - nem para mim mesma.

Inclua também a solidão, o medo e a insegurança. Mas inclua também a coragem, que nem eu sabia que tinha. Inclua também a falta de vergonha, que eu já tinha ideia que tinha, mas que não ainda havia testado.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Quantos monstros eu tenho?

Emotional Innocence - Tim Parker

Quantos monstros moram dentro de mim?
Quantos monstros eu sou?
Quantos segredos eu guardo?
Quantos venenos eu tenho?
Quais os perfumes que eu não exalo?

Quantos medos eu perdi?
Quantos dedos já não tenho?
Quais os sonhos que ainda guardo?
Quais os tempos que eu não vivo?
Quais remédios eu não tomo?

Quantas máscaras eu uso?
Quantos limites ultrapassei?
Quantas fronteiras eu atravessei?
Quantos muros eu derrubei?
Quantos beijos desperdicei?

Quantas músicas não ouvirei mais?
Quantos músicos não verei mais?
Quantos shows eu darei?
Quantas vergonhas ainda passarei?
Quantos personagens eu vou encenar?

Quantas peças
Quantos dramas
Quantos ensaios...
Eu ainda vou atuar?
Eu ainda vou ser?

--

Quais as chances eu ainda conseguir ser aquilo que eu pretendo? Eu dou um pause, tento sumir por algumas horas, alguns dias, pra recolocar as coisas no seu devido lugar e perceber: eu sou um emaranhando de problemas, de confusões, de tanta coisa de mim mesma que eu não conheço, que eu mesma me assusto, eu mesma me envergonho de tanta coisa que está aqui transbordando em mim, sem eu querer que estivesse. Estou cansando de mim.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Textos alterados

Escritor - pintura de Iria Blanco Barca

Não gosto de histórias mal contadas. Não gosto de histórias pela metade. Não gosto de histórias mal feitas. Não gosto de ler, de ouvir, de contar histórias ruins (não necessariamente tristes). Não gosto de histórias partidas, histórias indefinidas, de histórias com começos desgostosos e não gosto de finais. Na verdade, não gosto de poesias ao final e de novelas no começo.

I could love you more than life if I wasn't so afraid of what it all could be...

Não gosto de consertar um texto, digo e repito: o que eu escrevi, escrito está, não volto atrás. Ajeito uma vírgula ou um ponto, se realmente tiver que ajeitar, mas o texto depois de escrito já não é mais eu, já não é mais só meu. Não é justo querer voltar e reescrever. Quem reler, se reler, não lerá a mesma coisa, já estará alterado.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Com que tinta você anda pintando seu quadro?


Under One Umbrella - Leonid Afremov

Outro dia vi uma postagem num blog em que eram enumeradas algumas coisas que faziam as pessoas ficarem mais inteligentes, uma delas era as relações. Dizia que geralmente nosso QI vai se "igualando" às cinco pessoas mais próximas de nós, algo assim; bem, gostaria de ter encontrado o link da reportagem, mas, de qualquer forma, é apenas uma pesquisa que não considera outros contextos sociais também, diga-se de passagem, entretanto, ainda assim é uma informação que me chamou bastante atenção.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Meu melhor borrão

            "The Way In Which We Change" - Nick Lepard

Eu ainda vejo suas coisas. E outro dia eu chorei por você. Fazia tempo que eu não dava vexame, dizem que bêbados sempre falam a verdade, não é? Olha, acho que eu quero que você, especificamente você, seja o motivo de eu estar sofrendo. Eu já desperdicei muitos amores. Eu já recebi poesias e cartas, músicas e filmes, vidas que podia ter vivido, mas não desperdicei a doação. Eu me doei e não me arrependo disto.

Eu sei que deixei em você, além de mágoa, raiva e decepção, também um sorriso decorrente de lembranças que, tenho quase certeza, vez ou outra aparecem (mesmo que em seguida com o sentimento de raiva) no seu cotidiano de coisas que eu que lhe apresentei, eu que lhe ensinei, eu que lhe dei. Eu tenho quase certeza que não pode ser que em tão pouco tempo seja possível livrar-se de mim assim.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Ficando no casulo

Obra de Pablo Gonzalez
Cá estou eu aqui novamente. Como uma vez bem semelhante fiquei: tentando acordar.
Quando fico muito confusa ou muito cheia de coisas acabo transbordando e a única coisa que me vem à cabeça é me isolar. Eu tento tirar o máximo possível de tudo o que pode me distrair. Tento focar no processo de ficar no casulo. Às vezes dá trabalho, porque em tempos de comunicação excessiva é preciso um grande empreendimento para ficar sozinho.

Quanto custa ficar só! Quanto custa requerer este momento pra si. Não era pra ser assim. Mas é compreensível também o porquê de ser tão trabalhoso. O estado de solitude não é um estado compreendido pelo mundo. Não é algo esperado por ninguém. Ficar sozinho voluntariamente, viver este momento de reclusão por livre e espontânea vontade não é visto com bons olhos.

Girassóis - Caio Fernando Abreu



Tenho aprendido muito com o jardim. Os girassóis, por exemplo, que vistos assim de fora parecem flores simples. fáceis, até um pouco bruta.

Pois não são não. Girassol leva tempo se preparando, cresce devagar enfrentando mil inimigos, formigas vorazes, caracóis do mal, ventos destruidores. Depois de meses, um dia, pá! Lá está o botãozinho todo catita, parece que já vai abrir.

Mas leva tempo, ele também, se produzindo. Eu cuidava, cuidava e nada.

Porque tem outra coisa: girassol quando abre flor, geralmente despenca. O talo é frágil demais para a própria flor, compreende? Então, como se não suportasse a beleza que ele mesmo engendrou, cai por terra, exausto da própria criação esplêndida. Pois conheço poucas coisas mais esplêndidas, o adjetivo é esse, do que um girassol aberto.

Girassol dura pouco, uns três dias.

Caio Fernando Abreu

domingo, 8 de novembro de 2015

Morena

Morena era jovem, dezesseis anos, magrinha, mas carnuda, seios crescendo, sorriso largo, cabelos compridos e castanhos, com pequenas ondas nas pontas, sobrancelhas bem finas, lábios grossos, e apesar de Morena, era branquinha. Pele macia e boa de bronzear, diferente das demais branquinhas não ficava avermelhada, mas com um dourado que realçava os seus olhos, ora verdes, ora acinzentados, perfeitos para quem mora numa cidade de interior: o sol rachando, a terra em alguns cantos ainda vermelha, os rios de tons verdes acompanhando os caminhos, as árvores aqui frondosas ou ali quase mortas, com olhos que não se sabe de que cor são e que podem ora ser da cor da água que acompanha a travessia, da cor do céu ou da cor que quem olhar, quiser.
Morena não tinha grandes aspirações, aos dezesseis anos pensava apenas em terminar o ensino médio e o que quer que aconteça depois seria lucro. Não passava muito tempo pensando nessas coisas, apesar de não levar uma vida relativamente corrida para não ter tempo ou ter medo, simplesmente não pensava. Aos dezesseis anos não se precisa pensar nessas coisas, haverá tanto tempo e pressão para se pensar nelas, que é melhor Morena aproveitar este tempo de ócio e descobertas com coisas bobas e ao mesmo tempo importantes.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Caindo as escadas

Ilustração de Christoph Guher
Uma das melhores coisas que podem nos acontecer vira e mexe é ser ignorado/rejeitado. É uma coisa que geralmente (talvez por carência) faz você parar e pensar: "Nossa, não sou tão importante assim." Não somente isso, mas é um momento que lhe garante uma reflexão sobre o que você está passando, quem você é, por que você quer aquilo que não recebeu (quase sempre um tipo de reconhecimento, muitas vezes vulgar) e por que você acha, mesmo que inconsciente, que o outro tem que lhe dar isto que você acredita ser merecedor de receber.


quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Eu desorganizo para reorganizar




Cheguei na fase de me desorganizar. Desorganizar é a melhor forma de colocar as coisas no lugar. Na verdade, não sei se é a melhor forma, mas é a única que funciona para mim. Na verdade, até agora, é a única que eu consigo fazer. Mesmo que eu comece bem, depois desorganizo tudo, afasto todos os móveis da sala, fica tudo atraentemente bagunçado.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Vem tipo bossa.

Ilustração de autoria do artista plástico paulistano Roberto Bieto

Deixa eu te cantar com essa bossa, deixa eu te devorar com essa melodia, te esperar bem lentamente; vem assim, como essa voz de Miucha, forte e delicada ao mesmo tempo, mas presta atenção que ela avisa, "você pode ser ladrão quando quiser, mas não rouba o coração de uma mulher...". Não rouba coração de ninguém se nunca tiver feito uma canção, pois minha poesia, desse jeito assim, seco e sem graça, pra você não faço não.

Vem assim, vem bossa, mas não se preocupe se está misturando esse sambinha e essa pegada eletrônica, de vez em quando é bom mexer assim mesmo... Vem e diz no meu ouvido "e quem não tem amor não tem é nada!", afinal, eu sei, ainda sei que tem tanta gente aí com amor pra dar, tão cheia de paz no coração... Mas eu não.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Um quarto de música e um "senta aqui". #5

Ilustração de Amanda Cass
Vamos fazer as coisas devagar. De va gar... Vamos pensar bem antes, vamos deixar o tempo ser nosso amigo, desfrutar do que não se espera, cuidar primeiro do que tem dentro pra depois exteriorizar tanto os males quanto as alegrias. Vamos ser cuidadosos, vagarosos, piedosos... Vamos ter cuidado com essa inquietude que a gente sente.

Não vamos sair por aí por aí se dando, se doando, dando, recebendo... Tudo tão vazio, tão rápido, tão engraçado e... fugaz. Líquido, já diria Bauman, coisa apenas para "contar" não para "se contar". Não vira conto, poesia, nada disso: vira marca e, no máximo, uma bossa mal cantada.

Eu estou vendo o tempo passar. Não tão rápido como outrora pareceu. Não tão intenso (mas no caminho de ser) como antes um dia foi, como antes um dia eu fui. Eu quero apenas ver o tempo passar e não está dando certo.

Vamos repetir a mesma música, todo dia.
Vamos assistir o mesmo filme.
Vamos reler aquele livro.
Vamos compartilhar aquela poesia...
Esperar.
Deixar o vento entrar e limpar a sujeira, levantar a poeira.
Fácil dizer. Quem disse que consigo?

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Sacrifício - Simonami




quarta-feira, 30 de setembro de 2015

1/4 de música #4



Mais uma quarta, mais um 1/4, um quarto de música.

Zé Renato, Rubel, Memel Nogueira, João Gilberto e Chico Buarque

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Cultivar.

Ilustração de Amanda Cass


Conviva com pessoas que façam você florescer. Que cortem suas ervas daninhas, que façam em você uma poda diária. Tenha por perto não quem te vê como um "hobby", não quem te vê como algo que passa o tempo, quem não te cultive para só colher depois um fruto...

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Fique Sob o Sol da Toscana e deixe as joaninhas pousarem



Fazer escolhas, às vezes não ter escolha, ser aos poucos quebrada, desejar, sonhar, trair, ser traído, terminar, começar, planejar, recomeçar... É o ciclo da vida. Todos passam por isso um dia, e quem ainda não passou, não sei se digo que isso é bom ou ruim, porque às vezes dá uma leveza e sensação de liberdade, mas também não deixa de ter suas dores e dúvidas... Enfim, o importante é que amadurece e que pelo menos você tem história para contar e oportunidade para aprender o que é resiliência e esperança. Esperança do verbo esperar... Nunca antes tive que exercitar isso tanto quanto agora.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

1/4 de música #3


Só avisando que esse vai ser o 1/4 de música mais eclético até agora.

Big Scary, Ludovico Einaudi, Alceu Valença, Shawn James. Stratatovarius e Lenine


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Indicadores de uma amizade bacana

Eu sou uma pessoa chata, sou sorridente, brinco, não sou reclamona (não o tempo todo), mas sou meio complicada com relacionamentos de amizade. Eu não sou de ficar sempre perto, sempre presente, sempre sabendo de tudo, às vezes isso é ruim, mas não me culpo mais tanto por isso, afinal, tanto existem momentos em que a vida não permite como também momentos em que realmente não se está a fim, e eu sou da porcentagem de pessoas que não fica a fim várias vezes, por ser assim, sou super compreensiva quando as pessoas não estão a fim para fazerem alguma coisa por mim ou comigo também.

Como quase tudo, sistematizei a forma como vejo essas relações, e tenho minhas questões sobre elas também:

1. Eu me sinto à vontade para compartilhar as minhas coisas? Tanto as boas como as ruins?
2. Ao compartilhar, que tipo de feedbacks recebo? De apoio e exortação ou de reprimendas (que é diferente de exortação)?
3. Saímos juntos?
4. Mas se não saímos, o afeto continua (lembrando que é preciso sim sair, mas isso respeitando a frequência afetiva de cada um)?
5. Há cobranças?
6. As atividades começam a ser mais "por obrigação" ou para evitar brigas do que pela vontade de estar perto?
7. Você cresce pessoal/espiritual/intelectualmente com esta relação?

Transformei cada questão num indicador e divido aqui minhas conclusões com vocês:

1. Sentir-se à vontade para compartilhar suas coisas.
Numa relação de amizade há espaço para sinceridade, honestidade e compartilhar. E isso é recíproco. Você deve sentir-se à vontade para isso, caso contrário, é bom refletir se é uma amizade mesmo ou só a companhia nos momentos legais. Compartilhar é extremamente importante, você insere o outro em sua vida, honra as pessoas com informações que você não dará para qualquer um e vice-versa, fica realmente feliz com a felicidade do outro e não é uma competição, é alegria dobrada! O mesmo vale para a tristeza. Acompanha o crescimento e amadurecimento do outro nas diversas áreas da vida e conta esta história, a sua e a dele, com alegria, mesmo com os momentos ruins.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Peças quebradas não montam quebra-cabeças.


Não se trata de simplesmente querer ficar só (saber que precisa) ou deixar de fazer certas coisas por uma certa pressão religiosa, querer obedecer os "padrões" impostos ou qualquer coisa assim. Cada vez mais eu respeito esse padrão, porque quando eu desobedeci me tornei o que estou agora. E é difícil conviver com seus monstros e lembranças, culpa, medo, angústia, vergonha e desejos. Não se trata de eu ter sido vítima algum dia, de alguém ter chegado e destruído alguma coisa, roubado um pouco do que eu era, pode acreditar, nunca fui santa. Não se trata de eu ser mulher e ter sido abusada de alguma forma, não se trata de não terem me instruído, não se trata de nada disso. O lance é o seguinte: não importa o que fizeram, importa o que eu quero que façam. Importa que vira um vício.

domingo, 20 de setembro de 2015

Jardim [poesia-tentativa]


Jardim

O que fizeram da gente?
O que fizemos de nós?
Que nós são esses que atamos?
Que laços são esses que não fizemos?

O que fizeram comigo?
Que partes de mim me deixaram?
Que partes novas para mim trouxeram?
O que levaram?

O que fazemos de nós?
O que fazemos a sós?
O que ganhamos ao dizer não?
O que perdemos ao dizer sim?

O que queremos para um, para dois?
O que fica com a solidão?
Quem se descobre?
Quem se encolhe?

O que morreu em mim?
Que parte vai reflorescer?
Onde estão minhas ervas daninhas?
Onde estão minhas amadas feridas?

Steffi.

The Goldfish Window - Childe Hassam

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Ainda [poesia-tentativa]

El Suspiro - Decur

Ainda 

Rodeados de fios
De redes
De setas e telas
Botões e apagões
Ainda é possível

Ainda é possível
Aconchegar
Abraçar
Querer
Ter
Ser

Ainda é visível

O amor
A dor
O riso
p e r i g o s

Ainda é existente

O medo
A raiva
A angústia
Solidão

Ainda é raro

E caro

O abraço
A lembrança
A verdade
A alegria

repentinas
pequeninas

É uma música
Um conto,
Crônica, poesia...
Textos.
Palavras.

Uma peça
Um filme
Um ensaio
Ainda é possível ser gente


Steffi de Castro

Ceia de lágrimas

Eu fiz um super resumo em outra rede sobre o que vou contar aqui com um pouco mais de detalhes e vírgulas. Pra quem não sabe, sou cristã. Pra quem não sabe, sou protestante. Tradicional (não significa conservadora). E não sou batizada, embora tenha virado protestante já desde os 15 anos. Por quê?

Primeiro: nunca me liguei com isso logo que tive consciência da minha relação com Deus, nunca me senti pressionada, nunca senti a "necessidade", nunca fui atrás, até me perguntaram algumas vezes, mas, enfim, por alguma questão, isto nunca foi pauta. Sou batizada na igreja católica, mas isso rolou quando eu tinha 3 meses (sem consciência alguma) e o batismo da igreja católica tem uma tonalidade bem diferente do protestante por questões teológicas bem mais profundas (batismo regenerador ou não e etc., não convém falar disso agora).

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

1/4 de Música. #2

Quarta de música :)

Milton Nascimento, Magic Giant, Chico Buarque, Gonzaguinha, Motel 11-11, Música dos Dois e Luiza Possi e Alceu Valença.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Cortando nossas asas.

As pressões são muitas: passar numa universidade pública, para um curso "bom", formar-se com glórias nesse curso, encaixotar sua agenda com tantas atividades acadêmicas para provar que você é alguém que está correndo atrás, para demonstrar que você é interessado (mesmo que muitos eventos nem interessem, só valendo a carga horária mesmo...)... Fazer uma monografia boa, com um tema relevante e no tempo certo. Defender esta monografia. Tirar 10. Ou pelo menos 9,5 (o que já é horrível!). E aí... Procurar emprego ou se engajar na corrida de um mestrado... E ainda assim postar nas redes sociais que está muito legal, que você não está cansada nem de saco cheio da vida, nem enjoada das pessoas e que você é interessante, divertida, inteligente... Mesmo que a verdade seja que você só anda lendo as mesmas coisas sobre os mesmos assuntos faz maior tempão.

Eu não tenho saco para isso. Definitivamente. Consigo nem fingir. Muitas vezes sinto uma dor na consciência. Penso que deveria ser mais engajada, deveria ser mais eficiente, deveria participar mais e etc. E acho mesmo que deveria tudo isso, mas não consigo também não pensar que eu se eu saísse por aí fazendo isso com qualquer coisa eu só estaria me doando para muitas coisas que nem sequer me fariam bem.

Ilustração de Maio Martinéz

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Saiba conversar

Mas, afinal, o que significa saber conversar? Quem consegue fazer isso tem um milhão de amigos e conquista pessoas e sucesso, como sugerem manuais à venda nas livrarias? Estabelece conexões consistentes? Nesse gesto de estar com o outro, qual o papel da presença, da espera – afinal, nem todo mundo está pronto para falar quando desejamos –, da escuta, do silêncio? Pois é. A partir dessas perguntas e outras mais, comecei a trabalhar o texto que você lê agora. Na vitrola, os versos de Aldir Blanc me lembravam (uma outra canção) que “Amigo é pra essas coisas”: Salve!/Como é que vai?/ Amigo, há quanto tempo!/Um ano ou mais/Posso sentar um pouco?/Faça o favor/A vida é um dilema/Nem sempre vale a pena/O que é que há?  
Recomendo a leitura do texto "Saiba Conversar", na íntegra aqui.

Ilustração do Jay Fleck

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

1/4 de Música #1

Toda quarta, música boa. Essa é a ideia. Já faz duas quartas que compartilho alguma música que gostei muito na semana e etc., mas acho que vai ser legal colocar aqui no blog mesmo. Hoje vai ser mais de uma :)


Gonzaguinha, Leon Bridges, Asaf Avidan, Passenger

Privatizando-me

Ela está passando por uma fase de "selecionar" seus interesses e tentar "minimalizar" sua existência. Começou pelas redes sociais. Deu uma louca na sua cabeça que decidiu fazer uma "Lista" de pessoas com quem gostaria de compartilhar sua vida todos os dias, mais especificamente, suas fotos, tanto dos momentos "sagrados" como dos "profanos". Parece uma coisa boba, não é? Pra ela foi um exercício de "autoconhecimento" e "privacidade" maravilhoso. Pense bem: por que você quer mostrar a todos o que está fazendo? Qual a necessidade real de alguém saber que você saiu com uma amiga ou amigo?

Percebeu que não queria nem havia necessidade de todos os "amigos" do facebook saberem do que e com quem estava fazendo qualquer coisa que fosse. Não era famosa, e mesmo que fosse, daria uma de Larry Mullen Jr. achava. Então foi limando uma galera... E realmente ficou uma população bem pequena, deixou apenas família e poucos amigos. Essa parte dos "poucos" amigos foi bem difícil pra ela, mas fez e se sentiu liberta! Agora podia ser quem era!

"Internet and privacity" - Ilustrações de Leonardo Flores

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Mary escreve.

Ontem ela não resistiu e foi olhar uma foto dele. Ficou triste. Abalada. Por alguns instantes viu o sorriso daquela foto lhe olhando e mostrando tudo o que não teve nem poderia ter. Viu seu sonho se realizando num futuro próximo com outra pessoa, de outra maneira. Não se arrependeu. Sabia que não era seu, que não é para si, sei que era para ser assim. Mas entristeceu.

Ver o seu sorriso ao lado daquela criança tão bela foi desesperador. Trouxe-lhe à memória todas as sua falhas, imperfeições, erros do passado e medos do futuro. Ainda hoje ele a faz chorar, ainda hoje ele lembra de tudo o que ela é e o quanto não consegue arcar com isso. Ainda hoje, depois de tanto, depois de tudo, ela lembra e só percebe o quanto há de desordem na sua aparência bem resolvida.

Refletiu e decidiu ver bem mais para trás: não enxergou uma infância tranquila, uma infância bonita. Procurou colocar nisso a culpa para tanta amargura e embora fizesse sentido, desistiu, pois colocar nessas coisas a responsabilidade de serem a fonte das suas dúvidas também não seria fácil de lidar e ela não quer lidar com mais nada.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

O Jesus que João me apresentou

Vinte e um capítulos, uma leitura sem ajuda de comentadores e uma pessoa um pouco mais madura relendo-o depois de mais de 3 anos. Este é um panorama geral da minha leitura de João, um dos evangelhos da Bíblia. É a segunda vez que o leio (e até o fim da vida, eu o lerei muito mais, espero!) e o fiz com muita calma... Um trechinho por dia, lendo e relendo os versículos e procurando algo novo, algo que talvez eu ainda não tinha visto, uma palavra que talvez signifique mais, um gesto que tinha passado despercebido e assim vai...



segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O elo fraco

Ilustração de Maio Martinéz


Eu sou o elo fraco das relações.
A pessoa que não dá feliz aniversário, mesmo lembrando, mesmo amando.
A pessoa que trai.
Eu falo mal. Eu reclamo.
Não disfarço cara feia.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Sarau MPB Novos talentos

Como foi que descobri isso só agora eu não sei. Mas estou perplexa com tanta coisa boa num lugar só. E estou mais abismada é como que, mesmo tendo já um tempo (o projeto é de 2011!), muita gente ainda não conhece! Então, não me julguem por postar isso só agora.


Padronizando

Por obrigação estou escrevendo. Dizem as boas e as más línguas que é uma das coisas que bem sei fazer. Não acredito, mas concordo que para mim, bem ou mal, faz bem: organiza, seleciona, prioriza meus pensamentos. Como é escrever por obrigação quando dizem que você escreve bem e você não acha isso?

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Divertida Mente (Inside Out - 2015)

Quando tem Pixar no meio, não pense duas vezes em ir assistir. A chance de você se decepcionar com um filme que tenha a Pixar envolvida é menos de 10%. Basta lembrar de Carros, Toy Story, Valente, Procurando Nemo, Wall•E, Up-Altas Aventuras... A lista é perfeita! Vai dizer que nenhum destes filmes não mexeu com você? Como eu disse, a probabilidade é muito pequena, ouso dizer: quase nula. E não foi diferente com Divertida Mente.

O primeiro diferencial deste filme é que ele não tem somente a Pixar, mas a Disney também! E então, o que uma parceria da pesada como esta pode oferecer?



quinta-feira, 9 de julho de 2015

Tão longe tão perto

Tão longe tão perto


Olhe em seus olhos a te olhar.
Tu o vês profundo como o mar?
És sua voz também um cantar?
Quantas noites te fez sonhar?

Com quantas cordas a dedilhar
Te fez sorrir tal qual luar?
Com quantos versos a recitar
Fez tua doce alma levitar?

Por que insistes longes ficar
E tuas palavras aprisionar?
Podes deveras o coração trancar
E permanecer a me evitar?

Talvez seu merecimento deva estar
No simples gesto de te tocar.
De em teu peito se debruçar,
Na tua boca mergulhar...

Oh! Quão longo é meu penar
Sem teu mundo a me habitar!
Me sinto vago a caminhar
Caminhos, sonhos, teu lar...


Jh

terça-feira, 7 de julho de 2015

Opiniosidades: sobre redes sociais e o cansaço

O que comumente costumamos ler é que as pessoas estão tomadas por esse universo. As relações estão enfraquecendo, os costumes se perdendo, os amores se desfazendo e por aí vai. A rapidez das informações, a divulgação excessiva de si e de tudo... É sobre isso que lemos. Começamos a ver o quanto esse mundo é nocivo, o quanto nos afasta das pessoas e das coisas que gostamos, ao mesmo tempo que não conseguimos mais nos ver vivendo sem ele.

Embora todas estas questões sejam verdadeiras, tenho visto que um número ainda relativamente pequeno de pessoas está indo na contramão deste movimento, mesmo fazendo parte das redes, fazendo aquilo que é muito mais difícil do que simplesmente abandonar. É um grupo pequeno, mas crescente, de pessoas que decidiram dosar, equilibrar e selecionar.


quinta-feira, 2 de julho de 2015

Quando o Senhor te segura...

Texto resgatado do antigo blog, escrito em 22 de janeiro de 2010.

"Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração. Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá:"
(Sl 37: 4-5) 
"O Senhor firma os passos de um homem, quando a conduta deste o agrada; ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão."
(Sl 37:23-24)

Quando aceitamos a Jesus Cristo começamos a ter uma vida plena, quando esta aceitação é verdadeira, obviamente. A palavra "plena" faz-nos achar que não teremos mais problemas. Infelizmente muitas pessoas só vão atrás Dele quando se encontram em situações triste e desesperadoras. O fato é que nem sempre é assim.

 

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Opinião: A postura esquecida

Muitas coisas têm acontecido ultimamente. Muitas polêmicas, muitas divergências, falo no mundo "cristão". Se você não é cristão e está lendo, preciso lhe dizer: existe um "mundo" só dos cristãos, onde, caso você não seja um, muito provavelmente não vai ficar ciente das infinitas discussões que existem. Aliás, mesmo que você seja um é provável que não esteja, mas enfim...


domingo, 19 de abril de 2015

Mas eu me moooordo de ciúme

Uma das coisas mais fáceis de enxergar hoje em dia (acho que desde sempre, na verdade) é ver alguém se mordendo de ciúme. Sem querer me vangloriar. acho que cheguei a sentir isso pouquíssimas vezes e bem temporariamente. Não sei explicar ou dar uma fórmula para isso, mas eu, simplesmente, não sou ciumenta e nunca fui, talvez minha educação fez com que eu não "aprendesse" (nunca vi minha mãe com ciúme do meu pai, por exemplo) isso - se isso é aprendido - ou isso seja "intrínseco" a mim. Pensei na minha infância e não me lembro também de ter ciúmes do meu irmão ou das minhas irmãs, por exemplo. Nem de amigas. Mas só fui perceber essa minha característica quando entrei num relacionamento sério pela primeira vez. De início as pessoas me chamavam de sangue de barata porque eu aceitava muita coisa, como por exemplo, permitir que meu parceiro saísse sozinho, viajasse sozinho e etc. Até hoje eu fico me perguntando o porquê eu não deveria "deixar". "Ele pode me trair", "ele não pode se divertir sem mim", "tu vai ficar sem moral", "ele vai se acostumar"... enfim, já ouvi tudo isso, mas nada disso fez sentido pra mim algum dia.

Fazer "xixi" pra marcar território é tão animalesco quanto sentir ciúme e fazer cenas.

domingo, 12 de abril de 2015

Meu bebê é melhor que o seu

Eu não sou mãe, mas pretendo ser. Sou apaixonada por crianças desde cedo e estudante de psicologia, o que me despertou pra querer ler e assistir muita coisa. Na teoria tenho muito conteúdo, na prática, tenho apenas algumas experiências. Mas acho que a que tenho mais intensamente vivido ultimamente é sobre o narcisismo dos pais. Eu estou usando o termo "narcisismo" aqui bem aleatoriamente, sem necessariamente ser um conceito freudiano, por favor, não confundam.

♡ | via Facebook

"Ai, odeio essas coisas da massa!"

Não vou ser tão hipócrita a ponto de começar a escrever fingindo que o meu passado não tão longíquo assim não teve nada disso, então, é o seguinte: eu já falei essa frase. Eu já achei ridículo alguém gostar de forró, depois alguém gostar de pagode, em seguida, alguém gostar de funk e por aí vai... Mas, estou liberta!

Hoje, eu, sem amarras, sem medo, sem me importar muito, ouso dizer em alto e bom som: "meu bem, não curto nem conheço muito de jazz." Não tenho medo de parecer alguém que não está por dentro do que não é tendência, porque o que não é tendência é a nova tendência do momento. Gosto de pagode, e você? Gosto também de forró, o calipsado, o pé de serra, enfim... Assim também como gosto de música clássica, trilhas sonoras, blues, e um monte de coisas que meu namorado diz que são alternativas demais para ele e outras que meus amigos dizem que são estranhas demais. Gosto de quase tudo que me faz dançar, assim como gosto de qualquer coisa que me faça viajar. Tenho o bom senso de pelo menos avaliar umas letrinhas aí. Gosto de muita coisa popular, da mesma forma como gosto da voz rouca e meio fânia do Asaf Avidan. Adoro as músicas meio bregas do Peninha e da RoRô, sou apaixonada pelo Lenine e umas velharias aí que o povo não liga mais (viva Sérgio Sampaio!), além de umas novidades que acho que não vão chegar tão cedo aqui no Brasil. Sinceramente, hoje isso não significa muita coisa nem diz muito assim do que eu sou.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Vaga para amigas

Ilustração de Pascal Campion
Em todos os testes, para qualquer pessoa que você pergunte, umas das únicas coisas que reconheço em mim mesma com facilidade: a minha habilidade de comunicação. Sou uma pessoa sem dificuldades para me comunicar, não sou muito tímida e consigo me enturmar com uma certa facilidade. Mas o que eu aprendi com isso durante essa minha curta vida? Aprendi que se comunicar não é a mesma coisa que se relacionar, pelo menos não profundamente. é possível haver muita comunicação, troca de informações (pessoais ou não) sem um pingo de profundidade.

Não é a mesma coisa que a habilidade de fazer grandes amizades ou conseguir se aprofundar em relacionamentos. Eu me dou com todo tipo de gente de todos os tipos de gostos, tenho um círculo social que varia de "hippies" a "rockeiros", de crentes a descrentes, da classe C à classe mais ou menos A. Consigo manter um nível de conversa e convivência certamente agradável com cada um, mas com nenhum, ou quase nenhum, consigo manter uma relação onde de fato eu possa dizer que há profundidade.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Todo mundo quer uma Ruby Sparks

Ruby Sparks é a personagem (principal?) do filme "Ruby Sparks - A namorada perfeita" (2012). O filme gira em torno da história de um jovem escritor, Calvin, e seu grande amor, Ruby. Acontece que Ruby é, na verdade, criação de Calvin. Calvin tem muitas dificuldades de se relacionar e ultimamente anda tendo dificuldades para escrever também. Um dia ele sonha com uma moça e o seu psiquiatra sugere que escreva sobre ela. Qual não é a surpresa de Calvin quando certa manhã, ao acordar, Ruby está, em carne e osso, em sua casa.


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Sobre largar tudo... e viver?

Eu sou o tipo de pessoa que precisa de segurança, justamente porque sou insegura. Eu preciso de um mínimo de "segurança" para viver sem muita neura, porque as neuras surgirão do mesmo jeito. Não sou aquela que não quer passar por nenhuma dificuldade, aliás, sim, não quero passar por nenhuma dificuldade, mas sei que vou passar. O que eu quero dizer enfim é que só sou o tipo de pessoa que tem necessidade de ter controle sobre o mínimo da minha vida. Se eu ganhar só X mensais. Ok. Eu fico feliz de poder me planejar (nem sempre bem) com isso. Se por acaso eu conseguir mais, ótimo, só que nunca conto com mais, aprendi assim, consigo viver assim. Não sou ousada, não sou corajosa, eu tenho uma linha de segurança.

Como qualquer outra pessoa do mundo, eu acho que o meu pensamento é que o certo e que essa é a forma correta para qualquer ser humano viver: ter um plano, ter uma margem prevista, não se surpreender. Esse é o meu pensamento pra tudo. O meu pensamento, porque as coisas não funcionam assim para todo mundo. Essa lógica não é a de todo mundo.

super boy

"Tenho um amigo viciado em drogas" | ID #38: como amigos e familiares podem lidar com uma pessoa usuária de drogas



De Frederico Mattos, postado original no blog Papo de Homem.


"Fred, tenho um amigo que é aparentemente tão normal quanto qualquer outra pessoa. Trabalha, é considerado um bom profissional, namora, sai com os amigos. 
E cheira cocaína. Bastante. 
Faz isso todo final de semana e algumas vezes durante a semana. Mas o problema é que ele parece acreditar que controla essa relação com a droga.
Acho que sou a única pessoa mais próxima que não usa drogas e sabe do que ele está vivendo de verdade, já que grande parte do atual círculo social dele também usa drogas e considera isso ok.
Como ajudo o meu amigo viciado que acha que não está viciado? E será que eu assumo essa responsabilidade ou deixo isso pra família ou pra ele mesmo se resolver?"
* * *
Engraçado você começar explicando que seu amigo é normal, trabalha, tem namorada, sai com os amigos e... cheira cocaína. Normalmente, a imagem que temos do viciado em qualquer coisa é uma figura meio pálida e decadente, mas a convivência com qualquer substância ocorre em qualquer lugar, de pessoas lindas, coradas e cheirosas até maltrapilhos sem rumo, ela não faz distinção de gênero, classe, raça ou religião.
Definir o vício não é nada simples e muitos que me procuram no consultório por conta de questões com o uso de substâncias me perguntam porque algumas pessoas enlouquecem ou se tornam dependentes em determinadas situações e outras que atravessaram o mesmo tipo de experiência seguem bem e vivem tranquilamente. A resposta não é tão matemática, mas existem personalidade mais vulneráveis, que diante de certos tipos de situações e efeitos psicoativos, deixam aflorar problemas que estavam enjaulados nos porões da personalidade.
Muitos defendem o uso indiscriminado, pois alegam que não são essencialmente perigosas, que já usaram (ou usam ocasionalmente) por uma fase na vida e não ficaram viciadas. Outras pessoas, no entanto, fizeram o mesmo uso ocasional ou regular e entraram numa maré de de uso abusivo da droga e não conseguiram parar.

Quem é vulnerável ao vício?

Não importa se é com jogo, droga, sexo ou comida, o vício ativa regiões muito parecidas do cérebro e cria um ciclo de dependência que varia muito de pessoa para pessoa, visto que são mentes e biologias diferentes.
A personalidade vulnerável tirada do contexto social e biológico não se explica isoladamente. Por esse motivo, é muito difícil prever qual será o efeito de uma droga na mente de uma pessoa. A quantidade de pessoas que ignora suas vulnerabilidades emocionais podem iniciar um caminho sem volta, então, é possível abrir espaço para refletir que perfil seria esse. E como saber a que tipo de substância ou situação você será vulnerável? Não há uma resposta simplista, mas algumas pistas que estão longe de retratar todas as possibilidades.



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Sobre borboletas na barriga... e a falta delas.


Borboletas na barriga. Eu já tive. Muito rapidamente, não estou querendo dar uma de durona. Eu tive sim, quando eu tinha 15 anos e me apaixonei pela primeira vez. Agora não tenho borboletas na barriga, eu prefiro ter borboletas no cérebro.
Sirlaney.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Sobre frequência afetiva.

Ilustração de Blanca Gomez

Tudo começou com a leitura deste texto: Frequência afetiva, qual é a sua?

Há uma frase no meio do texto em que ele resume o conceito de frequência afetiva:
"A ideia de “frequência afetiva” a meu ver envolve muito de aceitar o que o outro tem pra te oferecer, mas principalmente o que ele não tem."

Outra parte do texto que me chamou bastante atenção foi a seguinte:

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Rubel

Dai glórias porque Sua criatividade foi dada a todos! Inclusive a Rubel.

Descrevo Rubel como: calma, delicadeza, sensualidade, beleza e sensibilidade. Pense num álbum gostoso de se ouvir enquanto come, antes de dormir, para brincar com seu bebê, enquanto se arruma, para pensar na vida... Rubel está bem encaixado. É uma tranquilidade com o peso de palavras e orações tão bem feitas e tão sinceras. Uma voz doce sem deixar de ser masculina.




 "Lança o barco contra o mar, venha o vento que houver e se virar, nada. Pega a mala que couber, roda a estrada sem saber, e se perder, calma..."


segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Opinião: não se traia

Isabella's Garden - Daniel DelOrfarno

Não se traia quando estiver com vontade de mais uma vez assistir aquele filme. Não se traia quando quiser comprar aquele livro, que é piegas, que é sobre uma banda que só você gosta, que é caro, que é para dar de presente. Não se traia.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A psicologia uma sedução, e eu caí nela.

The Great Seduction, Darwin Leon


Um dia você sai de casa despretensiosamente, na verdade, no fundo, você tem esperança de que algo incrível aconteça em só mais uma noite que você sai com os amigos ou só amigas. E aí você se senta na mesa de um barzinho, e numa outra mesa, ali ao lado, um homem charmoso te olha, sério, um olhar reto, sorri com canto de boca.

domingo, 4 de janeiro de 2015

Entre quatro paredes e aos gritos


É assim que me sinto aqui em casa. Cada dia mais complicado.
Eu não sou uma pessoa maravilhosa também. Não sei fazer coisas domésticas, sou até mesmo preguiçosa para isso, reconheço. Acho que, em casa, este é o meu principal defeito. Meu irmão diz que eu não presto para nada, que sou uma tapada, inútil, e, bem, é melhor nem pensar ou escrever no que eu penso a respeito dele o quanto ele ajuda (só que não mesmo) na harmonia em casa, pois as frases e expressões que tenho são bem piores.