"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Tristeza de novo não.


Estava demorando. É só isso que estou pensando agora: estava demorando pra isso voltar.

Eu sou assim: uns meses triste pra caramba, consequentemente escrevendo bastante, aqui ou em casa nos meus milhões de cadernos; meses felizes e segura, saindo bastante e aí meses tristes de novo. Como agora.

Milhões de coisas passam pela minha cabeça. Eu costumo querer escrever sobre isso porque me liberto um pouco mais e acreditam que outras pessoas sintam quase a mesma coisa, então, me ajuda e pode ajudar alguém, só o fato de não ser o único, enfim...

O que passa pela minha cabeça, por exemplo:
Eu tenho 18 anos e cara de 13. Todo mundo já está cansado de ouvir isso, eu sou feliz de saber que envelheço devagar (muuuuuito devagar) mas vocês não imaginam o quanto isso te deixa insegura, o quanto não dão moral pra ti, o quanto todas, todas, todas as outras garotas pareçam, e são mesmo, muito
mais bonitas e independentes.
Eu não sou o tipo de pessoa que é importante pra outras pessoas. Se eu sumir tanto faz, entende? Algumas pessoas talvez perceberão minha ausência, mas são poucas, dar pra contar na palma da mão. Minha mãe não faz surpresas junto com as minhas amigas pra mim, e tudo bem, porque aniversário me deixa triste mesmo... Não me mandam recados exigindo minha presença, dizendo que está com saudades ou brigando porque eu não ligo. Não fazem isso. E eu sempre estou atrás, sabe? Eu sempre tô ali no rabinho das pessoas mendigando atenção, mendigando carinho, palavras...

Eu faço mil planos pra mudar e só me machuco mais porque EU NÃO CONSIGO MUDAR! Minha maior vergonha é ser o tipo de pessoa que não consegue fazer nada sem querer reconhecimento. Isso é horrível, porque se o você fizer for bom o reconhecimento vem junto, não p

recisa esperar por ele, é preciso fazer as coisas porque temos que fazê-la. Não fazemos nada demais ao fazer o que é nosso trabalho. Eu sei disso tudo, mas eu não consegui fazer essa ideia brotar na minha vida.

Eu queria viajar, eu queria fazer coisas diferentes, eu queria me sentir querida, me sentir importante, me sentir parte de alguma coisa. Essa frase, do Jorge Miguel Marinho resume bem o que eu sinto: "Era bom demais pertencer e não bastava se pertencer, era preciso ser de alguém, de uma ideia, de um sentido".

Jesus, me ajuda...

Um comentário:

Juliana Diniz. disse...

Ouwn, Teffi! Fique triste não, girassol!
Você é sim, uma pessoa muito querida e importante, pelo menos pra mim. Uma pessoa iluminada, cheia de alegria que contagia todo mundo, assim que sempre lembro de você e é assim que gosto de te ver. Sei que não faço parte da sua vida há muito tempo, mas o "pouco" que já pude conviver com você, já é suficiente pra eu lhe estimar muito, viu? Desculpe se ás vezes eu não sou tão boa amiga, mas sempre que posso tento ser, pra todos aqueles que já tem seu espaço no meu jardim, assim como você!
Então, deixe a tristeza e esse sentimento de lado, aproveite a companhia de todas aquelas pessoas que lhe amam, que lhe estimam e que se importam de você.
Lembre-se "Só quero está cercado de quem me interessa."

Te amo girassol!

Beijos, Ju.