"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Deliberadamente: saia do meu livro!

Tudo o que eu faço é premeditado, meus erros e meus acertos.
Tenho algumas falhas, obviamente, não posso calcular tudo, mas sempre tenho O plano.
Quando alguma coisa sai dos eixos, sai do meu controle, eu escapo, dou um jeito de fugir, consigo, mas apenas por um tempo. O meu erro sempre volta pra me atormentar.
Vez ou outra alguma coisa que fiz no meu passado não muito distante volta à minha cabeça e me faz sentir nojo de mim mesma. Quando não, eu nem estou pensando nisso, mas aí aparece bem na minha frente o que eu queria esquecer. Existe uma cura pra isso?


Por mais tentativas deliberadas que possamos fazer, jamais poderemos nos livrar inteiramente do nosso passado. Ele sempre fará parte da nossa história, mas não necessariamente parte do nosso eu. Parte de você. Sua história pode ser um livro de recortes, onde você pode colar e rasgar fatos. A marca da cola sempre vai ficar lá, grudando toda vez que você queira pôr outra coisa por cima, mas eis a questão: você pôs outro recorte em cima, outra lembrança, outro momento, e só quem vai poder tirá-lo será você mesmo. A cola pouco importa, ela só ajudou mais ainda a colar. É assim que acontece quando a gente tenta tirar uma parte ruim da nossa vida, da nossa vida, da nossa história, do nosso eu. Tais lembranças não são mais você.

Meu livro de recortes tem mudado constantemente, por muito tempo ele se tornou inconstante, ficou cheio de marcas, a cola não grudava mais, meu passado só me atrapalhava.
Mas agora... Agora tudo está ficando mais claro. O futuro que há um tempo atrás eu calculava e planejava tão incisivamente agora está mais perto do nunca, está a um palmo da minha mão. As oportunidades clamam por meu nome!

Descobri que família não é a família que tenho, que família vai ser a família que eu formar pra mim, e me sinto muito aliviada com isso. Hoje eu faço parte dos planos de outras pessoas, mas daqui a algum tempinho, muito pouco, estas que farão parte dos meus planos.
E eu, cruelmente, mas para meu próprio bem, começarei a fazer uma seleção:
"te esqueço ou não te esqueço?" " te apago ou não te apago?" "família ou parente?"
Ah, sim! Será desta maneira, calculadamente, deliberadamente, premeditamente.
Mas não deixarei meus princípios de lado, serei justa, serei amável e serei educada, como procuro ser. Mas antes de tudo, SEREI FELIZ!

Um dia todo mundo precisa tomar as rédeas da sua própria carruagem, agora a Cinderela gosta é de all star.

5 comentários:

Fagnão! xD disse...

falou tudo!! e de uma maneira incrível!! o jeito que empregou as palavras em cada parágrafo!! uma beleza!! e concordo plenamente!! eu por exemplo acrdito que minha família no futuro serão minha namorada(futura esposa) meu(minha) filho(a) que está chegando e meus amigos de hoje, serão parte da minha família amanhã!!

chega de morar com os pais!
eu quero mais e viver a MINHA vida! acho que todos queremos!!



http://www.popundergroundofgod.blogspot.com/

Fabiano Che disse...

Gostei, deliberado, destinado, acaso.

Bem bacana a metafora

Henrique Alvez disse...

Não sei se faria a mesma coisa, mas cada um tem sua forma de alcaçar a própria felicidade :P

Isa. disse...

concordo com o primeiro comentário. é incrível o seu jogo de palavras, sempre surpreendendo e fazendo com que seja sempre gostoso ler seu blog!
meus sinceros parabéns, amiga!

beijão, Steffi :*

Alexandre Melo disse...

parabéns ´pelo blog gostei muito dele e disculpa pela demora para vim deixar meu recadinho parabéns bjs