"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Falar pelo, no lugar ou do lugar do outro

Falar no lugar do outro é diferente de falar pelo outro que é diferente de falar do lugar do outro. Na primeira, a impressão que temos é que alguém tomou a nossa vez e agora está falando. Falando no lugar do outro, no meu lugar, na minha vez. Talvez de coisas minhas ou não. Falar pelo outro é me achar o próprio outro e falar por ele, ou então, ser permitido a fazer isso devido a alguma circunstância. Falar do lugar do outro é diferente. Eu me coloco no seu lugar, para saber qual o seu contexto, sinto na pele, te ouço primeiro, então falo. Falo do seu lugar, e não do meu, que é pra evitar maiores problemas e desentendimentos.

Foi assim que organizei as coisas que aprendi hoje. Temos sempre que tomar cuidado e sempre nos perguntar: estou falando no lugar dele, por ele ou do lugar dele? Como se já não bastasse esta questão que por si é delicada demais, ainda tive que me haver com outra situação: além de falar no lugar do outro e pelo outro, falar algo que o outro não disse.



Sabe o que é se sentir exposto por algo que você não disse? Foi assim que me senti. Extremamente desconfortável e chateada. Fui advertida de que já não se lembrava muita coisa, e de fato não lembrou muito, porque esqueceu de um "detalhe" gigantesco na minha vida, mas disse algo que eu não cheguei nem a citar durante a conversa como se eu tivesse dito. Sem mágoas, foi apenas uma atividade. Apesar de que fiquei preocupada pelo que os outros iam pensar, mas como tive chance de corrigir, então tudo bem. Entretanto... O porquê desta história toda é para contar que percebi como somos desatentos nesses pequenos cuidados, de ouvir o outro atentamente e de não nos atermos a apenas os detalhes que parecem ser importantes para nós, mas para os detalhes importantes para o outro e, principalmente, não falarmos por ele algo da nossa cabeça.

Às vezes acontece, claro, de o outro dizer que você falou algo e realmente você falou e não se deu conta. Mas, no meu caso, tenho certeza, convicção, absoluta de que não falei e como a conversa se deu em dupla, pode ser que até hoje ele pense que eu realmente falei... Sei lá... Algo que realmente pode até parecer, mas que não é, porque, como expliquei, é inclusive contra os meus princípios!

Mas, enfim... Cuidado com o outro é isso também.

Um comentário:

Luis Gustavo Sodre disse...

Prestar mais atenção nas pessoas é essencial, pq senão vira uma corrente de "sem-querer" cada vez mais ofensiva. Espero que todas as informações fiquem mais claras no futuro.