"Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos." (Salmo 119:10)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Momento birra.

Eu tenho uma necessidade extrema de atenção. Na verdade, eu procuro obter atenção através dos meus bons atos, o que muitas vezes significa dizer que a atenção que quero pode se resumir a um leve reconhecimento do que faço, principalmente de bom.

Mas também necessito de uma atenção mais espiritual, mais emocional, melhor dizendo.
Carinho, simplesmente isso. O carinho que desejo obter pode ser através de palavras, de gestos, de atitudes, o que me importa realmente é que ele seja demonstrado. Aliás, eu não sou adivinha. E tenho certeza que todo ser humano necessita disso, por mais que alguns dizem que vivem bem sem.

Eu tenho uma personalidade deveras inconstante, possuo uma capacidade íncrivel de reagir por impulso e fazer besteiras, o que me torna também muito inconsequente.
Mas quando se trata de carinho, de amor... Eu procuro me manter estabilizada. Ou seja, o que quero dizer enfim é que eu procuro tratar as pessoas que amo bem, demonstrar meu carinho por elas, mesmo zangada, irritada, de tpm, cheia de coisa pra estudar, cheia de decisões pra tomar. Obviamente nem sempre eu consigo, pois ainda não me estruturei quanto a isso, mas venho me controlando mais.

Odeio quando alguém está chateado, estressado, zangado, irritado, seja lá o que for "ado", e acaba descontando tudo isso em mim.
De um ser humano mesmo, uma pessoa como eu, pecadora, mortal e errônea, até hoje só recebi a atenção que gosto (ou seja, na medida certa) de um só. Mas essa pessoa quando está chateada não consegue falar comigo. Não me dá atenção, e essa desta vez se refere a momentos como quando estou perguntando o que houve, mas é como eu seu não estivesse ali. =O
E eu querendo ajudar...

Sou ciente de que às vezes na intenção de ajudar atrapalho. Porque acabo me zangando também. Foi o que aconteceu, por sinal. Mas eu já me regulei. Já estou de boa. Mas o ser humano ainda não... E parece que tudo o que eu falo é repugnante, é chato.
Mas tudo bem, são os problemas.Eu sei bem quais são e preciso realmente ser compreensiva quanto a esta fase. Porque uma hora triste, outrora alegre, é a mesma pessoa. A mesma pessoa que me concede a atenção de que gosto não por obrigação, mas por amor.
Por isso é tolerável. Só por isso! Porque eu sei que isso vai passar, como já passou muitas outras vezes.

Mas eu não tolero isso de todo mundo, ter atenção é bom e eu gosto!
Não sou grudenta, não sou chata.
Mas exijo de minhas amigas, por exemplo, pelo menos uma lembrança, um sinal de vida, uma demonstração de carinho. Quem não é visto não é lembrado. Portanto, se você não está se mostrando pra mim, no bom sentido, é bem mais fácil eu te esquecer.

Afinal de contas, como é que se dá o que não se tem?
Se eu não recebo, porque você receberia?
Em algumas circunstâncias isso é até aceitável, mas dê-me um bom motivo. Tem que ser muito bom mesmo.
Porque não tem como esquecer de quem se quer bem.
Não tem mesmo!

6 comentários:

Giuliano Marley disse...

Profundo, hein? Me fez refletir. Realmente necessitamos, exigimos atenção.
_____
http://atestadopedante.blogspot.com/

pisovelho disse...

"A felicidade só é verdadeira quando compartilhada" - Na Natureza Selvagem

Pobre esponja disse...

Eu adoro ser o centro das atenções... é muito bom. Mas não por ego, por amor à vida....pela eterna e terna vontade de, em luz e som, explodir!

Lol!

abç
Pobre Esponja

kalanguinho disse...

Axo q todos nós temos direitos à esses momentos, né pikachu? Isso é muito importante para nos sentir parte da comunidade em que vivemos!
^^

maria luiza disse...

Isso não precisa só de reflexão. Devemos também ver se cometemos um erro que esta citado no temos: Já não temos atenção a alguém?.
Ótimo texto!!!
BJOS!!!

Kée Moraes disse...

me identifiqueei com td q você disse! *-*

http://decodificarsuamente.blogspot.com/